Back To Top

Soma Criação

Após críticas Youtube trabalha num “Youtube Kids”

O intuito é que todos os vídeos de cunho infantil migrem para o aplicativo

Depois de muitas críticas e uma multa de US$ 170 milhões, o maior site de compartilhamento de vídeos da Internet anunciou o “Youtube Kids”, versão infantil da plataforma, disponível para dispositivos móveis. A página foi acusada de disponibilizar conteúdo inadequado para crianças e coletar dados dos menores, sem autorização prévia dos pais. A FTC (Federal Trade Commission), órgão americano responsável por fiscalizar a segurança de dados corporativos, entrou em um acordo com a plataforma após a violação da Lei COPPA, Lei de Proteção à Privacidade Online das Crianças. Supõe-se que os executivos da companhia, com suas metas agressivas de engajamento para atrair espectadores, não conseguiram administrar o material disponível.

Como funciona?

O “Youtube Kids” conta com um layout divertido e acessível, e o conteúdo é dividido por categorias:

Pré-escolar (de 4 anos ou menos): As crianças terão acesso a vídeos que promovam, principalmente, a criatividade.

Crianças (de 5 a 7 anos): Os pequenos poderão explorar seus interesses, e encontrar músicas, desenhos e muito mais!

Crianças maiores (de 8 a 12 anos): Os pré-adolescentes podem pesquisar e explorar videoclipes, jogos, vlogs, vídeos voltados aos conteúdos escolares, entre muitos outros.

Os responsáveis devem desbloquear o app, e poderão personalizar o conteúdo a ser exibido. Ainda assim, a empresa alega que não consegue reconhecer e controlar todos os vídeos impróprios e, caso os pais encontrem algo inadequado, poderão bloqueá-lo e solicitar a revisão do material.

Novas regras

Os vídeos direcionados ao público infantil não contarão com anúncios. As notificações, comentários e compartilhamentos também serão desativados. Não haverá monetização e isso afetará, diretamente, diversos criadores de conteúdo, que terão quatro meses para se ajustarem as novas regras.

Responsabilidade

Susan Wojcicki, CEO da plataforma, reforçou o compromisso da empresa em tornar a plataforma mais adequada: “Nesse sentido, nada é mais importante do que proteger as crianças e sua privacidade. Estamos investindo pesado em políticas, produtos e práticas que ajudem a atingir esse objetivo. Desde o início, o YouTube se propôs a ser um site para usuários com mais de 13 anos. No entanto, diante do crescimento acentuado no conteúdo dirigido a famílias e nos aparelhos compartilhados por pais e filhos, sabemos que a probabilidade de crianças assistirem vídeos sem supervisão aumentou. Estamos estudando a fundo áreas em que podemos trabalhar mais para enfrentar essa realidade”.

Post a Comment