Back To Top

Soma Criação

Plataformas debatem Fake News para as Eleições 2020

As informações disponíveis na internet tornaram-se determinantes e podem influenciar na decisão dos eleitores

As eleições presidenciais nos Estados Unidos acontecem somente em novembro de 2020, mas os preparativos estão a todo vapor! O Facebook, por exemplo, está tomando medidas para evitar as controversas “fake news” que podem impactar neste período. Parece que a disseminação de notícias falsas dominou a internet e, em todos os casos, é necessário consultar a fonte.

Facebook muda para se adequar às eleições americanas

Na última edição das eleições, a plataforma foi acusada de adotar uma postura indiferente por não contestar os posts referentes à política. Essas mudanças incluem, também, a participação de países estrangeiros. De acordo com o FBI, NSA e CIA, que são entidades ligadas ao governo americano, a Rússia e o próprio Vladimir Putin foram responsáveis por publicar informações falsas para prejudicar a candidata Hilary Clinton. Essas difamações podem ter contribuído para a vitória de seu oponente, Donald Trump.

“Fake News” é coisa séria!

Diante deste cenário Ellen Weintraub, presidente da FEC (Federal Election Comission, correspondente ao nosso Tribunal Superior Eleitoral) convidou os gigantes do universo digital, Google, Twitter e Facebook para debater as “fake news” em um simpósio marcado para o próximo dia 17. O objetivo é estudar as notícias que são compartilhadas na internet, e que podem vir a influenciar os resultados das próximas eleições. O evento será coordenado pelo Global Digital Policy Incubator no Stanford Cyber Policy Center e a PEN America, órgãos integrados por escritores e profissionais da literatura, e contará com a participação de organizações políticas, estudantes e congressistas. A tendência é que mais encontros como esse aconteçam nos próximos meses.

Ao concordar, duvide

Diferentemente do Brasil, nos Estados Unidos o voto é facultativo. Dessa forma, os eleitores podem decidir se vão às urnas ou não. Além disso, em sete estados norte-americanos é possível mudar sua escolha três vezes antes do dia da eleição. Neste contexto, torna-se inevitável ser atingido por uma série de informações e opiniões nas redes sociais. E, nem sempre, a notícia determinante que fomenta novas ideias é verdadeira. Seja em nosso país, na terra do Tio Sam ou em qualquer lugar do planeta sugerimos que desconfie.

Post a Comment